quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Entrevista Claud's Home






A Claud’s home surge de uma decisão resultando num projecto do qual eu, a
Cláudia, faço parte. Estou por detrás deste projecto e sou a Cláudia, a caminho
dos trinta e cinco, com muitos sonhos associados e em realização!
Depois de anos … perceber que a formação base (Geografia) não era mais
sinónimo de trabalho, eis então que a Claud’s home nasce. A persistência o
acreditar têm sido fundamentais!
Definir a Claud’s home, é também me definir em grande parte. Acreditamos no
que de mais belo pode existir, na força construtora, positiva e
inimaginavelmente grande, que é a do Amor … Amamos a Vida!
Somos apaixonadas pelo belo, pelo positivo, pelo que somente é importante…
pelo único de cada um. Adoramos o que é original, a irreverência, a liberdade
… a interdependência, a parceria e equipa, a Família que se constrói … enfim
da Vida mesmo. Acreditamos, eu e a Claud’s home, que o modo como nos
alimentamos é reflexo do que somos … um pouco a velha frase “diz-me o que
comes, dirte-ei quem és”. E depois disso tudo é possível, a imaginação é
apenas o limite …porque a alimentação, o mais plena e saudável possível é
apenas uma vertente, mas a importante para o seguinte!

Desde quando a paixão pela culinária?

A paixão pela culinária existe desde que me lembro a partir do momento em
que começo a saber escrever e desenhar. Acreditem, passava horas a copiar
receitas, a desenhar e compor livros de receitas. Adorava desenhar (ainda me
lembro utilizar os químicos, para decalcar) e pintar, com combinações de cores,
e sem sair do limite … o perfeccionismo, que para a idade não era “normal”.
Ainda mais, fazia cadernos de receitas, que não eram só para mim. Fazia a
duplicar ou triplicar, para oferecer, imaginem …
Por isso digo … uma paixão de longos anos … 

Blogs favoritos 

A esta questão é difícil responder … Confesso que para mim os blogs que sigo,
são o reflexo do Coração, da inspiração de quem por detrás dos mesmos estás
e que dedica horas do seu tempo, para partilhar com o colectivo.
Por isso são para lá de muitos os que visito. Muitos mesmo!
Enumero todos que da forma mais positiva, construtiva e tão livre partilham,
pelo gosto disso mesmo de partilhar de sentir que vale a pena a comunicação,
o encontro, o grupo, a equipa … o partilhar e se essa é também a forma de
profissionalmente se realizarem e fazer o que se gosta maravilha!
Todas as páginas que sigo e com blog associado, visito-os e procuro deixar um
comentário que não deixa de passar pela Gratidão que sinto entre o existir
partilha (s) e por todo o trabalho feito pelas (os) bloguers! Gratidão a todos!

Quais são as suas inspirações culinárias?

Para além dos amigos, das revistas, dos programas de televisão,
inevitavelmente dos blogs, uma forte inspiração é o rumo da “sociedade” …

Qual é a receita de que mais se orgulha?

Toda a receita que crio e chega ao Coração de alguém, faz-me feliz!

Receita com mais sucesso no blog?

O blog é recente e até à data as maçãs do amor
boas visualizações, de me deixar muito feliz!

Prato favorito da Cozinha Portuguesa?

Grão cozido com cebola, salsa e azeite; couves cozidas com alho e azeite,
adoro a salada de feijão-frade com salsa, cebola e azeite. No verão o tomate
coração de boi, orégãos e pimentos assados na brasa, com um fio bom de
azeite satisfaz a minha refeição! Tudo muito simples!

Prato ou Cozinha Internacional favorito/a?

Gosto muito da cozinha italiana e japonesa.

Ingrediente favorito?

Um bom azeite.

Especiaria favorita?

Açafrão!

Diga-nos, o que é que nunca cozinhou mas gostaria de cozinhar?

Momons (tibetanos) vegetarianos.

Qual foi o maior disparate que já fez na cozinha?

Foi em França, e já lá vão uns anos bons, que me proporcionei o episódio mais
surreal na cozinha. Uma longa história.
Procurarei sintetizar e se conseguir com que imaginem o “feito” … perfeito!
A paixão pela importância da alimentação vem de há anos mesmo. O ser
vegetariana igual. Já o era quando optei por ir tirar formação, que o fiz pelo
IMP, posteriormente fui para França e depois Nova York onde complementei
formação e aprendizagens! O saber não é só teoria, apesar de ter a minha
vivência enquanto vegetariana, macrobiótica a “fugir” para vegan, quis outros
voos e aprender mais e mais, e que já lá vão uns anos … Assim fiz.
Primeira paragem França, num restaurante estritamente vegetariano, biológico
de comida consciente. Só ao almoço eram servidos, diariamente entre 100 a
120 refeições. Para mim foi logo o descobrir um admirável sonho possível.
Tanta gente a comer vegetariano diariamente, num conceito biológico
consciente, integro e integrado, devem imaginar a minha alegria….
Quando fui não era suposto ir dirigir a ementa diária. Ia começar por onde
começa um aprendiz, que embora por aí também tenha passado, verdade é
que ao fim de uma semana… estava a cozinhar o plat du jour … à frente da
cozinha, a ter de pensar, gerir o que fazer para a ementa, para servir as entre
100 e 120 pessoas, mais ainda as quiches e sobremesa que também era
função minha delinear e confecionar!
Certo dia, já só me faltava a sobremesa a dita sobremesa.
Sabia que no dia anterior a despensa tinha sido abastecida e como ainda tinha
tempo fui em expedição à despensa, inspirar-me. Eis que olhando um pacote
de soltos flocos de aveia, pensei eu … iria fazer um brutal e saboroso crumble
de maçã e frutos silvestres. Se assim pensei, melhor o fiz. Et voilá saiu a
sobremesa, que num ápice esgotou, não tendo dado para todas as
solicitações.
A história poderia ter terminado aqui e assim, mas se o surreal não tivesse
acontecido.
A cada dose que saía, chegava-me as felicitações dos clientes. As felicitações
eram o habitual, não estranharia se os comentários e todos mesmo me diziam,
que nunca tinham comido um crumble assim. Tinha um sabor ligeiramente
diferente a crumble, mas uma boa combinação.
Fiquei a pensar, diferente?! Aveia, maçã e frutos vermelhos toda a gente
conhece, o que poderia estar diferente?!
Assim que me foi possível, fui buscar uma embalagem dos ditos soltos flocos
de aveia, e qual não é o meu espanto quando em vez de soja tinha lido aveia!
Maravilha. O dito crumble confecionei-o com feijão-de-soja em flocos,
imaginem … como não poderia ter o tal sabor diferente…
Claro que tive uma sorte maravilhosa, gostaram, terminou num ápice, eu não
quis voltar a experimentar, não sobrou para nenhuma da equipa experimentar
… todas souberam, a receita como todas as outras lá deixei e partilhei, mas
esta com a rectificação de flocos mesmo, de aveia!
Podem imaginar!?

Na cozinha nunca me pode faltar… Amor!

Obrigada Cláudia.











2 comentários:

  1. Cláudia amei esta tua entrevista, adorei conhecer um pouco mais de ti e fiquei curiosa para experimentar esse famoso crumble com feijão de soja! ;)
    Beijinho para ti e outro para a Marta .

    ResponderEliminar
  2. Marta antes de mais, Gratidão, pelo Coração, gentileza, amabilidade ... por tudo.
    Grata por esta oportunidade e partilha!
    Ana, não experimentes :) faz mesmo com o de aveia, mas se fizeres conta como foi :) eu não quis até hoje repetir :).
    Beijinho muito grande e o meu coração Gratidão.
    Muitos sucessos!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...